[x] Fechar

Notícias >

Trinta anos depois, maior goleada do Brasileirão ainda é do Corinthians

25/01/13 - 11h17 - Especiais Agência Corinthians

Em 2012, além de conquistar a América e o mundo, o Corinthians reviveu os 30 anos da Democracia Corinthiana. No dia 09 de fevereiro, novamente após três décadas, um dos grandes momentos da geração de Sócrates será relembrado pela Fiel. Confira o especial sobre a maior goleada da história do Brasileirão, preparado em parceria com a Placar.

Logo no início de janeiro de 1983, num calendário diferente do atual, o elenco campeão paulista de Sócrates, Biro-Biro, Wladimir, Casagrande e Zenon deu os seus primeiros passos pelo Brasileirão. Nos dois jogos iniciais, vitória sobre Fluminense por 2 a 1 e sobre o Fortaleza, fora de casa, por 3 a 1.

No dia 30 de janeiro, veio o tropeço diante do Tiradentes-PI, em Teresina, por 2 a 1 na terceira rodada. Após os gols de Sabará e Hélio Rocha, o democrático Corinthians saía provocado.

© Arquivo Placar

Dos quatro gols marcados por Doutor Sócrates na goleada, dois foram de pênalti; Clique na imagem e veja mais fotos

Curiosamente, já na quinta rodada, no dia 09 de fevereiro, as duas equipes voltariam a se encontrar no estádio do Canindé, em São Paulo. Os heróis da Democracia Corinthiana protagonizaram não só um verdadeiro espetáculo, mas sim a maior goleada da história do Brasileirão. “Para nós, jogadores, o gol é aquele momento mágico do futebol. Melhor ainda quando vêm logo 10. Essa foi a nossa resposta”, afirmou Wladimir, lateral esquerdo titular da equipe alvinegra e recordista em jogos pelo Timão.

Trinta anos depois, Wladimir tem bom motivos para se recordar, afinal, além da goleada, aquele era o jogo em que marcaria um golaço de bicicleta. “Foi o gol mais bonito da minha carreira. Quando o Paulo Egídio foi à linha de fundo para cruzar, sabia onde ele colocaria aquela bola, então girei o corpo vislumbrando o gol de bicicleta”, contou Wladimir.

© Arquivo Placar

No segundo tempo, Wladimir recebeu cruzamento preciso de Paulo Egídio e fez um golaço

No tradicional “vira cinco, acaba 10”, o Timão presenteou a Fiel com uma atuação de gala. Após tomar o primeiro gol da partida, de Sabará, a reação teve início, sobretudo pelos pés de um líder. “Quase sempre o Magrão buscava a bola no fundo das redes e a levava até o meio do campo. Ele sempre pedia que nos acalmássemos e que aquilo não mudaria nada. Bastava que a gente fizesse o nosso jogo”, relembrou Biro-Biro, volante titular, que jogou improvisado no ataque.

Somente no primeiro tempo, o Doutor Sócrates marcou três vezes. Biro-Biro e Paulo Egídio fecharam o placar de 5 a 1 e desceram ao vestiário. O Corinthians queria mais. Na volta, Ataliba, Paulo Egídio, Vidotti e Sócrates, novamente, marcaram os gols. Apesar do show do eterno camisa 8, a bicicleta de Wladimir permanece como um dos grandes momentos da história alvinegra.

“Aquele jogo foi maravilhoso. Não marcávamos tantos gols assim numa partida só e, de repente, vieram logo 10. Aquele jogo marcou muito mesmo, seja pela belíssima atuação do Magrão, pelo meu gol ou pela bicicleta do Wladimir”, encerrou Biro-Biro.

© J. B. Scalco

Em 1983, Mario Travaglini era o técnico do esquadrão corinthiano que goleou o Tiradentes-PI

Ficha Técnica

Corinthians 10x1 Tiradentes-PI
Data: quarta-feira, 9 de fevereiro de 1983
Estádio: Canindé
Cidade: São Paulo
Árbitro: Aristóteles Cantalice (PE)
Público: 17.821
Corinthians: Solito, Alfinete, Mauro, Daniel González e Wladimir; Paulinho, Sócrates e Zenon (Eduardo); Biro-Biro, Ataliba (Vidotti) e Paulo Egídio
Técnico: Mário Travaglini
Gols: Sabará (de pênalti) 18, Sócrates (de pênalti) 24, Sócrates 31, Biro-Biro 37, Sócrates 42 e Paulo Egídio 44 do 1º; Ataliba 4, Wladimir 8, Paulo Egídio 17, Sócrates (de pênalti) 33 e Vidotti 42 do 2º.

Veja os dez gols marcados pelo Timão:



Licenciados

Aba incentiva timão
Aba Peneiras